Manutenção de Headsets: saiba como prolongar a vida útil dos aparelhos

Os headsets são a principal ferramenta de trabalho de diversos profissionais. Com isso, necessitam de constantes cuidados, a fim de prolongar seu tempo de vida útil. Somente assim, os itens funcionarão adequadamente, por muito mais tempo, sem que haja danos ao equipamento, ao bem-estar do usuário ou ao serviço em que o headset vem sendo empregado.

Para obter resultados satisfatórios, algumas dicas básicas podem ser seguidas. São maneiras fáceis de cuidar da manutenção e limpeza do acessório, além de garantir que a saúde do usuário seja preservada.

Seguindo as primeiras orientações

O primeiro passo a ser seguido no trabalho de manutenção dos headsets é buscar não compartilhar o aparelho. Estes equipamentos devem, preferencialmente, ser de uso individual, uma vez que tanto o fone de ouvido quanto o microfone acoplado têm contato direto com a pele e mucosas do operador. Esse cuidado é essencial por uma questão de saúde. O uso compartilhado pode gerar situações desconfortáveis, mas perfeitamente evitáveis, como as infecções, por exemplo.

Naquelas situações em que é preciso dividir o uso do headset, uma orientação válida é trocar o tubo de voz e o protetor auricular com determinada frequência. Além disso, a espuma protetora também merece uma atenção especial nos momentos de manutenção, pois pode acontecer de também estar contaminada.

Escolhendo bem cada detalhe

Cada um dos componentes de um headset precisa ser tratado com cautela. Quando for escolher o protetor auricular, por exemplo, os antialérgicos devem ter a preferência absoluta. Aqueles produzidos em courino, isto é, couro sintético, também são excelentes opções.

Aparelhos cujos protetores auriculares são feitos de espuma, podem começar a esfarelar a qualquer momento. Geralmente essa situação desagradável tem início logo após as primeiras higienizações, revelando que o tempo de vida útil do acessório é bastante limitado. Já os equipamentos à base de courino são mais resistentes e, em média, são trocados somente uma vez a cada seis meses.

Outro detalhe de suma importância é o tubo de voz. O mais recomendável é que os headsets possuam essa peça em sua versão removível. Os motivos vão além da questão de saúde dos usuários em situações de compartilhamento. Eles envolvem, também o fato de que o tubo de voz deve ser trocado com uma periodicidade considerável.

Essa é uma parte do equipamento que já passa naturalmente por um processo de desgaste. Mas outros fatores de risco são que o tubo de voz pode ser obstruído por alimentos, resíduos de maquiagem e, até mesmo, pela saliva que, inevitavelmente, é expelida no headset.

Uma dica valiosa e, ao mesmo tempo, higiênica, é a adoção de protetores de espuma para o microfone. Essa prática pode diminuir as ocorrências de problemas de obstrução.

Seguindo todas essas dicas, os headsets de sua empresa terão uma excelente durabilidade, evitando situações embaraçosas em que ruídos, chiados ou voz distante atrapalham o andamento do serviço. Se o seu cliente pode ouvir e compreender claramente o que o atendente lhe diz, maiores são as chances de as negociações serem bem-sucedidas. Conte com a Top Use para garantir o sucesso da sua empresa